Como falar sobre suicídio?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram


Dia 10 de setembro é conhecido mundialmente como o dia de conscientização e prevenção do suicídio. A campanha do setembro amarelo, popularizada há alguns anos graças ao esforço dos profissionais da área de saúde mental, em especial a Associação Brasileira de Psiquiatria, é louvável por abordar um tema historicamente tão pesado e tabu…
Mas um motivo de grande preocupação nos últimos anos é a constatação que o número de óbitos por suicídio é mais alto nos meses de setembro! Isso porque até mesmo profissionais de saúde mental costumam abordar o assunto de forma inadequada.
Mas afinal, quando e como falar sobre suicídio?

Quando falar?
Quando identificamos algum fator de risco! Quase a totalidade dos casos de suicídio estão relacionados a um transtorno mental agudo ou crônico: depressão e outros transtornos de humor, dependência química, transtornos de personalidade… saber identificar e procurar ajuda profissional é fundamental! Então quando conhecemos alguém que esteja passando por um problema de saúde mental, é importante conversar abertamente e procurar ajuda de um profissional. Fique atento principalmente a sentimentos intensos de culpa, vergonha, ou uma sensação de estar “sem saída” diante de uma situação ou momento de vida
Outro fator de risco importante é o fácil acesso aos meios: e aí que entra o risco das redes sociais e o incentivo ao armamento nos dias de hoje…então identificar estes fatores de risco é fundamental para conversarmos sobre o assunto.


Como falar?
Para ajudar pessoas próximas à nós, falar abertamente, dizer que a situação será resolvida, apontar soluções e caminhos, procurar ajuda profissional. Restringir o acesso aos meios é fundamental! Isso inclui restringir o acesso às redes sociais, principalmente em crianças e adolescentes.


E como falar nos meios de comunicação e redes sociais?
A principal dica é nunca noticiar o aumento do número de casos, o crescimento das taxas, estatísticas de novos casos. Ao contrário de outras doenças como diabetes, obesidade, Covid,etc. Quando noticiamos muitos casos, as pessoas em situação de risco entendem que é algo comum, e passam a considerar cada vez mais a questão.
Ao contrário disso, noticiar números favoráveis, dar exemplo de pessoas que buscaram ajuda ficaram bem. Que a maioria das pessoas que procura ajuda ou faz tratamento não teve mais ideias e pensamentos sobre suicídio.


Outra questão importante é: Não apontar uma causa especifica ao contar um determinado caso. Todo mundo quer saber um motivo. Negue-se a dizer que as pessoas se matam por causa disso ou daquilo. Isso só incentiva as pessoas nas mesmas crises a tomar a mesma atitude.Enfatizar que mesmo passando por uma situação adversa, a questão era um problema de saúde mental que poderia ter sido solucionado com ajuda especializada. Incentive a procurar ajuda!


Se você tem estes pensamentos, fale com alguém! Você não está sozinho! A nossa vida é muito maior do que nossos pensamentos. Acredite na mudança e na superação.

error:
Rolar para cima